#AUTONOMIA

 

au·to·no·mi·a

  1. Independência.
  2. Liberdade moral ou intelectual.
  3. Distância que se pode percorrer ou tempo que se pode permanecer em funcionamento sem necessidade de reabastecimento.

#ROVER_no_ACANAC2017

# 3 DIAS EM AUTONOMIA

Como já sabem, no campo da IV do ACANAC, queremos proporcionar-vos/nos a vivência de um verdadeiro Rover!

Pretendemos proporcionar-vos a experiência do caminheiro «sertanejo» que vive em completa harmonia com o ar livre e caminha em autonomia total. Assim, após a cerimónia de abertura do ACANAC, irão partir para três dias de caminhada durante os quais tudo o que precisarem será transportado nas vossas mochilas, sem reabastecimentos. Vai ser uma experiência despojamento, de forma a que levem só o essencial para o caminho, tendo a vivência real do que é ser caminheiro/companheiro!

Bem sabemos que têm muita experiência de caminhadas em autonomia durante mais de três dias, mas para que se preparem para o caminho, deixamos-vos algumas dicas.

Bloco2

# A TUA MOCHILA

Saber arrumar bem uma mochila e tê-la perfeitamente ajustada ao corpo é fundamental! Numa caminhada, a mochila faz parte de nós e é nela que carregamos tudo o necessário para garantir conforto e segurança. Não há nada pior que horas intermináveis sentindo o material mal arrumado ou ajustado, espetando as costas ou causando desequilíbrio durante uma caminhada.

Arrumar a mochila

  • Enrolar as roupas – dobrar e enrolar uma a uma.
  • Guardar tudo dentro de sacos plásticos – serve para manter materiais secos contra líquidos de dentro e fora da mochila, separar em embalagens menores em vez de usar um grande saco para tudo.
  • Preencher os cantos – a mochila deve idealmente ficar totalmente esticada, os materiais a transportar deveram preencher todos os espaços. Ao arrumar a mochila é fundamental verificar o lado de fora para verificar se alguma parte do tecido está frouxa.
  • Distribuição do peso – como o terreno é maioritariamente plano, o centro de gravidade da mochila deve ser no meio das costas e próximo das mesmas. O saco de cama e as roupas, por exemplo, podem ficar no fundo da mochila ou naquele compartimento separado do resto (evitando colocar nessa parte, materiais que possam partir). O peso ideal da mochila não deve ultrapassar 1/3 do peso do seu utilizador.
  • Tenda – dividir em duas e colocar uma parte cada lado da mochila.
  • Coisas que devem estar à mão – comida de absorção rápida, água, impermeável, lanterna, canivete, além de outras coisas que se usam com muita frequência e em momentos que, geralmente, não temos muito tempo a perder.

Ajustar a mochila

  • As mochilas de caminhada possuem um cinto acolchoado, que proporciona um conforto maior e conseguem transferir para os quadris entre 80% e 90% do peso total. A mochila ideal deverá ter o comprimento do tronco, do pescoço até o quadril. O meio do cinto deve estar sobre os ossos da bacia e não acima, de forma que o peso fique no cinto e não nos ombros.
  • A mochila deve ser ajustada quando já estiver cheia e arrumada.
  • Colocar a mochila nas costas com as fitas frouxas, ajustar a distância entre o ombro e o cinto (a maior parte das mochilas permitem este ajuste), colocar e apertar o cinto.
  • Caso a mochila tenha tiras no cinto apertar as mesmas, fazendo com que a parte inferior da mochila fique o mais próximo possível do corpo.
  • Ajustar as tiras das alças, que ficam em cima próximo ao ombro. Estas alças servem para trazer o peso da mochila e seu centro de gravidade para o mais próximo possível do corpo.

 #PREVENÇÃO DOS ACIDENTES

A caminhada na região de Idanha implica alguns riscos e é imprescindível sensibilizar-vos para prevenir acidentes e socorrer se necessário!

É tempo de insolações e golpes de calor, desidratação e escorpiões, cortes e arranhões, dores de barriga e coisas estranhas… Sabem o que fazer? Ficam algumas dicas!

Em primeiro lugar adequar a farmácia individual (aquela que cada escuteiro deve ter) ao tipo de atividade que se vai fazer – a soma do todo é maior do que a soma das partes. Para a caminhada em autonomia com certeza não querem levar a farmácia numa mala rígida às costas. Bolsas pequenas e práticas equipadas com soro fisiológico, compressas esterilizadas, iodopovidona, ligaduras, tesoura, adesivo, gelo descartável, pomadas analgésicas, termómetro, luvas, manta térmica e etc… devem fazer parte do material individual de cada um, à semelhança do saco cama e lanterna!

Se está calor, o risco de insolação ou golpe de calor é grande, é fundamental usar chapéu, idealmente de abas largas – o de B.P. é 5*. Não é cool usar chapéu? Paciência, é mais complicada a insolação! É chato usar protetor solar?! É mais desagradável andar depois a queixar-se de desconforto por queimadura.

É importante beber água, e não sumos ou outro tipo de bebidas, isto é fator de proteção contra a desidratação. Três litros diários em esforço são essenciais, mas claro que não os vais transportar às costas sendo determinante abastecer de água sempre que a encontrem.

Se estiveres perante um acidente, algo inevitável, então deves saber atuar. Como? O que sabes fazer? Sentes te à vontade para realizar determinados procedimentos?

Aqui ficam algumas dicas para quando fores confrontado com uma situação de emergência e/ou acidente:

  • Para e acalma-te. Não entres em pânico;
  • Pensa sobre o problema e traçar um plano de ação;
  • Define alguém que coloque o plano em curso;
  • Observa a situação e avalia periodicamente a vítima;
  • Dar todas as informações a quem está a socorrer.
  • Procura ajuda mas não esqueças: o socorro não chega até nós se não soubermos exatamente por onde andamos…

Toma decisões! Seguras, conscientes da situação, tendo sempre em conta o melhor para quem sofreu o acidente e para o grupo. Be Prepared!

Adaptado de:
https://www.priberam.pt/dlpo/autonomia
https://trilhaserumos.com.br/dicas-roteiros/dicas_de_uso/como-arrumar-e-regular-sua-mochila/

Tal como já fomos partilhando, a vivência base do Rover será em Tribo. Mas, em conjunto, serão desafiados a trabalhar também em Bairro e em Cidade. Nestes dias que iremos viver em conjunto, haverá alguns aspetos que devemos ir considerando para uma boa preparação do nosso acampamento.

Alimentação – A alimentação em campo será baseada num sistema de compras em supermercado. Cada tribo terá um cartão com o Saldo/Plafond para a alimentação de toda a atividade. Apesar de existir uma sugestão de ementa da organização, será uma gestão completamente autónoma de cada tribo, na escolha dos ingredientes e nas opções de confeção. Isto incluirá os dias de raide e as saídas de campo, como acontecerá no dia em que estaremos no Porto de Abrigo. Devem, por isso, considerar bem as opções que vão assumir. Haverá momentos em que irão escolher ter de optar por refeições frias, mas terão de existir outros onde irão apostar no conforto de um jantar quente.

Construções de Campo – Não haverá construções obrigatórias no Rover. Haverá madeira disponível em campo que possibilitará construir o mínimo necessário para permitir uma vivência digna em campo. A gestão será feita em Bairro, tendo em conta o espaço existente, que sabemos à partida ser um pouco limitado. Afinal de contas, seremos 22 000 a montar campo no CNAE.

Caminho a fazer no #Rover
No início desta jornada, lançamos aos Caminheiros e Companheiros o desafio de que durante o Rover do XXIII Acanac tomem #consciência de que são #Homens-Velhos num #MundoVelho e que ao longo da atividade percorrerão um caminho de #conversão em #HomensNovos, assumindo assim a missão de #transformar o #MundoVelho em #MundoNovo.
Cada uma destas etapas será vivida de forma intensa, e cada participante notará certamente a mudança que em si ocorre. Cada um é, por isso, responsável por se #ligar em cada momento e
#cooperar para o sucesso de todos.
O programa que a seguir se apresenta pretende desvendar um pouco daquilo que se irá viver no Rover e aguçar o apetite para que o desejo de se #ligar vá crescendo em cada um.

cam

Existe já muito trabalho feito neste caminho de #cooperação para a construção do #MundoNovo, como por exemplo a resolução da Organização das Nações Unidas intitulada «Transformar o nosso mundo: Agenda 2030 de Desenvolvimento Sustentável», constituída por 17 objetivos. É provável que já tenham ouvido falar sobre estes Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, mas é igualmente provável que ainda não tenham tido tempo para refletir sobre eles.
Estes objetivos visam resolver as necessidades das pessoas, quer nos países desenvolvidos, quer nos países em desenvolvimento, tendo sempre em mente que ninguém deve ser deixado para trás.
Transformar esta visão em realidade é essencialmente da responsabilidade dos governos dos países, mas irá exigir também novas parcerias e solidariedade internacional. Todos têm um papel a desempenhar, incluindo nós, enquanto participantes ativos na construção do #MundoNovo.
Para que os Caminheiros e Companheiros sejam capazes de #cooperar ativamente durante o Rover, sugerimos que, em Tribo/Companha ou Clã/Comunidade, procurem descobrir um pouco mais estes 17 objetivos e, se assim o entenderem, analisem e escolham aquele(s) em que poderiam agir na sua comunidade local. Poderão encontrar mais informações acerca dos ODS no seguinte endereço: http://www.unric.org/pt/images/stories/2016/ods_2edicao_web_pages.pdf.

Anúncios